Teatro Playback Social percorre os bairros de Joinville

Apresentações vão ocorrer em diferentes pontos da cidade até a primeira quinzena de junho

Ao final do mês de abril, o Abismo Teatro de Grupo fez o lançamento do projeto Teatro Playback Social para um grupo de assistentes sociais de Joinville, como uma prévia da programação que vai percorrer os bairros da cidade de 4 de maio a 9 de junho. Serão 14 apresentações teatrais do espetáculo em unidades da Secretaria de Assistência Social (conforme cronograma abaixo) que têm como objetivo resgatar histórias destas comunidades e promover uma interação maior entre os profissionais e o público assistido. Ao final de cada apresentação também será realizado um bate papo com o público para trocar experiências sobre as histórias levantadas.

Segundo o proponente do projeto, João França, a ideia do Teatro Playback Social “surgiu das apresentações que o Abismo Teatro de Grupo fazia em comunidades terapêuticas e em lugares onde o adolescente é privado de liberdade por terem cometido um ato infracional. Isso nos inspirou a promover o Teatro Playback em locais que muitas vezes não têm acesso a apresentações de teatro”. Com apoio da Amorabi (Associação dos Moradores do Bairro Itinga) e patrocínio do Simdec (Sistema Municipal pelo Desenvolvimento da Cultura) e Secretaria de Cultura e Turismo), o projeto teve como contrapartida a apresentação de lançamento para as equipes das unidades de Assistência Social de Joinville com o objetivo de que os profissionais pudessem conhecer a metodologia e utilizar como possíveis interações com seu público. Além disso, será realizada ainda uma oficina de teatro, com carga horária de 4h, a ser realizada no Abrigo Infanto Juvenil, com o mesmo objetivo.

            Para o grupo, este projeto representa o papel transformador que a arte pode causar nas pessoas e a expectativa é atingir cerca de mil espectadores com o total de apresentações. “Já na apresentação de lançamento, percebemos o quanto esse projeto será importante para os locais que irão receber as apresentações pelo feedback dos coordenadores, que já queriam mais de uma apresentação em cada local, para atender mais pessoas. É importante ouvir a história do outro para reconhecer a sua história também”, declara Cristóvão Petry, condutor do Teatro Playback Social. Ele destaca ainda que a maioria das apresentações serão abertas ao público, com exceção de uma fechada para o Abrigo Infanto Juvenil. “Faremos uma apresentação, por exemplo, para o Centro Pop, que atende os moradores de rua de nossa cidade. Será desafiador realizar estas apresentações e ficamos felizes por contemplar estes públicos”, finaliza. 

Teatro Playback

O Teatro Playback foi criado por Jonathan Fox e Jô Salas, nos Estados Unidos em 1975. A partir deste primeiro grupo, foram criados vários outros, sendo atualmente praticado em mais de 50 países. Ele se caracteriza por uma forma teatral em que um grupo de atores, um músico e um condutor encenam histórias contadas por pessoas escolhidas aleatoriamente na plateia do espetáculo, promovendo uma interação com o público, tudo permeado pelo talento da improvisação. A técnica e toda a metodologia foi repassada ao Abismo Teatro de Grupo pela Dionisos Teatro, também de Joinville, grupo já consagrado pelo Teatro Playback.

Cronograma das apresentações:

04/05 (sexta-feira) – 9 horas

CRAS Floresta: rua República da China, 222

11/05 (sexta-feira) – 9 horas

CRAS Parque Guarani/CEI Zilda Arns Neumann: rua das Pitangas, 350

 18/05 (sexta-feira) – 8h30

CRAS Paranaguamirim: rua João Luiz Miranda Coutinho, 845

18/05 (sexta-feira) – 10 horas

CRAS Adhemar Garcia: rua Antenor Douat Baptista, 205

 25/05 (sexta-feira) – 14h30

CRAS Comasa: rua Maracujá, 620

26/05 (sábado) – 9 horas

CRAS Pirabeiraba/Biblioteca Pública Municipal Professor Gustavo Ohde: rua Olavo Bilac, 520 (anexo ao terminal urbano Max Lutke)

 28/05 (segunda-feira) – 8h30

CRAS Jardim Paraíso: rua Crater, s/nº

28/05 (segunda-feira) – 10 horas

CRAS Aventureiro/CEU João Paulo II: rua Theonesto Westrupp, s/nº - esquina com Jequié

29/05 (terça-feira) – 15h30

Restaurante Popular II: rua Urussanga, 442, Bucarein

 30/05 (quarta-feira) – 14h30

CRAS Morro do Meio: rua do Campo, 664

 30/05 (quarta-feira) – 17 horas

Centro Pop: rua Paraíba, 937, Anita Garibaldi

 08/06 (sexta-feira) – 9 horas

CEPAT: rua Abdon Batista, 342, Centro

09/06 (sábado) - 11h às 16h – Oficina de Teatro (com uma hora de intervalo)

Abrigo Infanto Juvenil

09/06 (sábado) - 16h - Apresentação para grupo fechado

Abrigo Infanto Juvenil

Ficha Técnica:

Proponente do Projeto: João Vitor França 

Condução: Cristovão Petry

Atuação: Isadora Dourado, João França, Letícia Helena, Marcos Vicente (Abismo Teatro de Grupo)

Músico: Lausivan Corrêa

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: Livre

 

Assessoria de Comunicação

Santa Cultura Comunicação Criativa

Sandra Moser / Taísa Rodrigues

sandra@santacultura.com.br / taisa@santacultura.com.br

Tel.: (47) 99179-7484 / (47) 98864-3373

facebook.com/santaculturacomunicacao

www.santacultura.com.br

François Muleka: da música para obras de arte Psicodelicado abre dia 8 em Florianópolis

 A arte está no DNA de François Muleka. O músico brasileiro, filho de africanos, radicado em Florianópolis/SC, é único e irreverente em suas canções com influências da música brasileira, hits americanos e, claro, a tradicional africana. Todos esses ingredientes fazem o público viajar com as seus shows, batuques, assovios e violão. E não é diferente com os seus desenhos. A marca registrada de François Muleka está estampada nas obras que serão expostas pela primeira vez na capital catarinense.

Psicodelicado é o nome da exposição inédita que abre no dia 8 de maio, às 21h, na Galeria Soulciety (veja detalhes abaixo). François, em suas obras, é artista que fala do fundo do coração por meio de sua pele e de seus pelos sobre o que há de fantasticamente trivial e ao mesmo tempo sublime e grotesco em temas cotidianos. Autodidata, ele explora estes temas fazendo uso de diversas mídias e abordagens técnicas, passeando pelos pluriversos da música, literatura, artes visuais e engenhocas.

Com curadoria do artista Rafael Oliveira, o artista apresenta uma série de reflexões imagéticas que tangem assuntos como a discrepância entre o “ser” e o “parecer”, e indefinição das linhas da tríplice fronteira entre a realidade, o que dela se pode perceber e as suas representações possíveis – todas em nível mais subjetivo do que objetivo. Tais reflexões dizem respeito a um terreno vasto dotado de arenosa incerteza, portanto, Psicodelicado.

“Essa exposição para mim é, primeiramente, uma oportunidade de falar sem depender do uso da palavra, apenas ideias e imagens. Faz parte de um projeto integral voltado para a criação chamado Faunália, no qual me proponho a aprender diversos meios de expressão e compartilho esta experiência por vias expositivas (o show Faunália, a exposição Psicodelicado e um livro de poesias ainda em preparação e sem título) e de formação (a oficina CriATIVAmente e uma série de palestras com o mesmo nome voltadas para pessoas envolvidas em quaisquer processos criativos)", declara François.

  Neste terreno circunscrito de maneira peculiar em nanquim e aquarela, os repertórios pictóricos e emotivos do expectador e do autor brincam de esconde-esconde e pega-pega em meio a figuras ora oníricas, ora fantasmagóricas, ora delicadas e pungentes, ora pulsantes e abrasadoras, que “são o que não parecem ser” e “não são o que parecem”.

                O corpo da exposição é composto de 15 obras com técnica mista em que predominam o uso de nanquim e aquarela sobre papel em diversos tamanhos e inclui algumas intervenções com giz pastel oleoso e lápis de cor, constituindo um prato cheio para olhos curiosos e revisitadores de sentimentalidades.

                A exposição fica até dia 25 de maio e a entrada é gratuita.

 

Saiba mais em: www.facebook.com/francois.muleka

Serviço

O quê: Psicodelicado, por François Muleka

Quando: de 8 a 25 maio

Onde: Galeria Soulciety – avenida Me. Benvenuta, 1548, bairro Santa Mônica – Florianópolis/SC

Entrada: Gratuita

 

Assessoria de Comunicação

Santa Cultura Comunicação Criativa

Sandra Moser e Taísa Rodrigues

Tel.: (47) 99179-7484 / (47) 98864-3373

sandra@santacultura.com.br/taisa@santacultura.com.br

facebook.com/santacultura

www.santacultura.com.br

Músico Rafael Vieira lança vídeoaulas gratuitas sobre microfonação de bateria

O curso ensina como captar som para shows ao vivo e estúdios de gravação

          Com o objetivo de oferecer conhecimento musical gratuito, o baterista Rafael Vieira, em parceria com a empresa INConsciente Coletivo, sob a gestão da designer Ana Carol Carvalho, apresentam o projeto Microfonação de Bateria. A primeira aula estará disponível no Youtube no dia 2 maio, às 10h, sendo as demais, em um total de seis, lançadas nas semanas seguintes, no mesmo horário. As aulas são voltadas para bateristas, técnicos de som, produtores, estudantes de música e músicos profissionais.

As aulas são apresentadas por Rafael e músicos convidados que ajudam a exemplificar as técnicas de composições instrumentais. O Projeto Microfonação de Bateria está disponível no site www.bateristavieira.com, que tem um link para o canal do Youtube do músico. Para lançar o projeto os realizadores estão fazendo uma ação de divulgação, com o sorteio de uma caixa de bateria profissional. Para participar da promoção basta acessar o site (http://bit.ly/2H7h2dc) ou as redes sociais do baterista que dá o passo a passo para os interessados. Já para participar das aulas é necessário inscrever-se no canal.  

A microfonação é uma técnica de captação de som para um show ao vivo ou no estúdio. Neste caso, o instrumento de destaque é a bateria. “Nas aulas será possível aprender sobre diversos tipos de microfones, conceitos, modelos e aplicações, além de técnicas sobre como microfonar a bateria”, explica Rafael, idealizador do projeto. Ana Carol explica que “embora o posicionamento inicial do coletivo seja suas atividades em torno das onze edições do festival realizadas até hoje, a partir deste ano, o INC prestará também consultorias para empreendedores destes segmentos”. Assim surgiu esta parceria que resulta agora nestas vídeoaulas.

O projeto, validado pelo Simdec – Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura, do Município de Joinville -, foi dividido em seis vídeoaulas. Na primeira, os alunos poderão aprender sobre conceitos e histórias, criando uma base para os vídeos seguintes. Na sequência, irão saber mais sobre como fazer uma captação com apenas um microfone. Depois, o músico ensina como microfonar o bumbo, além de técnicas overhead. A quarta aula será sobre técnicas de overhead em estéreo, passando para conceitos de microfonação de tambores e, para concluir, o tema será ambiência. Além dos vídeos foram desenvolvidas apostilas de apoio com informações complementares sobre os temas abordados com dicas, sugestões e materiais que ajudam a exemplificar o conteúdo. Os vídeos contarão também com recurso de legendas disponível em diversas línguas. 

Além do patrocínio do Simdec, o trabalho tem apoio da Pearl, Santa Costa, Univale e Batuka Groove.

Confira: facebook.com/bateristavieira

Assessoria de Comunicação

Santa Cultura Comunicação Criativa

Sandra Moser / Taísa Rodrigues

Tel.: (47) 99179-7484 / (47) 98864-3373

sandra@santacultura.com.br / taisa@santacultura.com.br

facebook.com/santaculturacomunicacao

www.santacultura.com.br

ANIMANECO - Festival de Teatro de Bonecos de Joinville invade a Ajote

O Galpão de Teatro da Ajote recebe neste mês a segunda edição do ANIMANECO - Festival de Teatro de Bonecos de Joinville. Serão quatro espetáculos, com grupos não só de Joinville, mas também da Jaraguá do Sul, Porto Alegre/RS e Goiânia/GO, que abre a programação na Ajote com a peça Boneco de Cor, da Cia Teatro do Maleiro formas aninadas y títeres.

Além disso, a programação conta com uma oficina de Teatro Físico e Mímica, do italiano Umberto Rosichetti, com a produção do grupo joinvilense Circo Lúdico. Umberto também sobe ao palco do galpão com o espetáculo Crazy Stilt Show, no dia 7 de abril.

Outro destaque é a Leitura dramática dos Melhores contos de Lygia Fagundes Telles, com o grupo Folhetim. Não dá para perder!

 

Confira abaixo a programação:

 

Oficina: Oficina de Teatro Físico e Mímica

Ministrante: Umberto Rosichetti (Itália)

Produção: Circo Lúdico (Joinville/SC)

Data: 3, 4 e 5 de abril

Horário: das 19h às 22h30 – carga horaria total 10 horas

Investimento: R$ 300,00

Sobre o Curso: oficina para quem quer adquirir a técnica da mímica, que permite "criar tudo do nada"; e do teatro físico, ótima ferramenta para malabaristas, palhaços, atores, bailarinos, músicos, profissionais das artes em geral, que querem melhorar a eficácia do seu "estar no palco" por meio do processo de consciência de seus corpos e da dinâmica que relacionam seu corpo com seu "espaço cênico". Na oficina serão introduzidos elementos de criação nos quais os participantes poderão colocar em prática as informações adquiridas.

Informações: contato@circoludico.com.br

Inscrições: www.enjoyevents.com.br

 

Espetáculo: Crazy Stilt Show

Artista: Umberto Rosichetti (Itália)

Produção: Circo Lúdico (Joinville/SC)

Data: 7 de abril

Horário: 17 horas

Classificação: livre

Ingressos: R$ 30 inteira e R$ 15 meia-entrada

Ingressos antecipados à venda no site enjoyevents.com.br ou uma hora antes do espetáculo no local.

Sinopse: o que você nunca viu um homem fazer na perna de pau? Você já o viu levantar-se? Fazer mágica? Desembaraçar entre truques de malabarismo de fogo em uma única perna? E pular corda?

Tudo começa com uma barraca de camping, o que bate? Não se sabe, mas as crianças adoram! Em seguida, haverá um voluntário, uma corda mágica, uma série de problemas que deixa cada vez mais o público com a respiração suspensa.

Este original espetáculo, que é uma mistura inteligente de técnicas diferentes, deixa você com um final feliz, muito amor e aplausos ...

 

Leitura dramática: Melhores contos: Lygia Fagundes Telles

Grupo: Folhetim – leituras dramáticas (Joinville/SC)

Data: 12, 19 e 26 de abril (quintas-feiras)

Horário: 19h30

Classificação: 14 anos

Ingressos: gratuitos – distribuídos uma hora antes no local.

Sinopse: a apresentação é composta por leituras vocalizadas (dramáticas) de contos de Lygia Fagundes Telles. Todos os textos estão publicados na coleção Melhores Contos, livro pertencente à lista de obras literárias da UFSC – 2019.

 

Espetáculo: Boneco de Cor (Espetáculo integrante da programação do 2º ANIMANECO - Festival de Teatro de Bonecos de Joinville)

Grupo: Teatro do Maleiro formas aninadas y títeres (Goiânia/GO)

Data: 27 de abril

Horário: 20 horas

Classificação: livre

Ingressos R$ 20,00 inteira + taxa administrativa e R$ 10,00 meia-entrada + taxa administrativa

Ingressos antecipados à venda no site enjoyevents.com.br ou uma hora antes do espetáculo no local.

Sinopse: Em cena, uma história rodeada de personagens sociais do dia a dia. O espectador vê acontecendo uma verdadeira poética, constituída por músicas, poesias e interação com o público. “O boneco de Cor” não é apenas uma história, mas um mundo com várias histórias. As personagens que habitam esse mundo são bonecos com os quais o ator-bonequeiro dialoga e contracena. Os bonecos, construídos de madeira e papel, ganham existência diante de nossos olhos para, com movimentos corporais cheios de sutilezas, brincar de ser. Feito para todo tipo de público, o espetáculo cativa crianças, jovens e adultos. Todos se encantam por um universo em que a simplicidade se torna magia.

 

Espetáculo: Fadas (Espetáculo integrante da programação do 2º ANIMANECO - Festival de Teatro de Bonecos de Joinville)

Grupo: Essaé Cia (Joinville/ SC)

Data: 28 de abril

Horário: 20 horas

Classificação: A partir de oito anos

Ingressos: R$ 20,00 inteira + taxa administrativa e R$ 10,00 meia-entrada + taxa administrativa

Ingressos antecipados à venda no site enjoyevents.com.br ou uma hora antes do espetáculo no local.

Sinopse: Fadas livremente inspirado no conto “As Fadas” de Charles Perrault, conta a história de uma menina que é recompensada com um dom de expelir pedras preciosas e diamantes através de suas doces palavras. O espetáculo fala de julgamentos, escolhas, sonhos e as dificuldades que podemos encontrar ao longo dos caminhos. Apropriando-se da linguagem do teatro de objetos, Fadas apresenta um pouco do sonho de cada um.

 

Espetáculo: O Catavento (Espetáculo integrante da programação do 2º ANIMANECO – Festival de Teatro de Bonecos de Joinville)

Grupo: Gestus (Jaraguá do Sul /SC)

Data: 29 de abril

Horário: 16 horas

Classificação: A partir de oito anos

Ingressos:  R$ 20,00 inteira + taxa administrativa e R$ 10,00 meia-entrada + taxa administrativa

Ingressos antecipados à venda no site enjoyevents.com.br ou uma hora antes do espetáculo no local.

Sinopse: um bonequeiro, diante dos olhos do público, vai criando um boneco, utilizando poucos materiais: meia, bola de ping-pong, lãs. Quando o bonequeiro conclui a confecção e empresta sua voz ao boneco, este passa a requerer a sua liberdade. Em resumo “O Catavento” conta a história do nascimento, infância, juventude e emancipação de um boneco.

 

Espetáculo: Bom pra Cachorro (Espetáculo integrante da programação do 2º ANIMANECO - Festival de Teatro de Bonecos de Joinville)

Grupo: Caixa do Elefante (Porto Alegre/RS)

Data: 30 de abril

Horário: 20 horas

Classificação:

Ingressos: R$ 20,00 inteira + taxa administrativa e R$ 10,00 meia-entrada + taxa administrativa

Ingressos antecipados à venda no site enjoyevents.com.br ou uma hora antes do espetáculo no local.

Sinopse: a montagem do espetáculo de bonecos “Bom pra cachorro” é inspirada nos esquetes cômicos apresentados nos circos-teatro que circulavam nas cidades do interior do país. Sem feras ou números grandiosos as pequenas tendas de pau fincado foram, por muitos anos, a única alternativa de entretenimento após o fechamento das salas de cinema. A estrutura dramática dos textos possibilitava improvisos e citações de personalidade locais, fatos e expressões regionais, agregando a velhos textos um frescor comunicativo que conquistava a empatia do espectador pela sua identificação.

Montagem histórica de “A Litorina” ganha corpo agora com Abismo Teatro de Grupo

Temporada da peça integra a programação do Verão Teatral, realizado pela Ajote

Um texto de 1970, que marcou época na cidade de Joinville, é trazido à tona novamente, mostrando que a montagem de “A Litorina” é histórica, mas o assunto ainda é atual. A peça foi escrita por Miraci Dereti (1942/2006) e realizada em oito apresentações na cidade, com atuação do próprio autor, do jornalista e historiador Apolinário Ternes e do professor Félix José Negherbon. Agora, a nova montagem ficou a cargo do Abismo Teatro de Grupo e integra a programação do Verão Teatral, da Ajote (Associação Joinvilense de Teatro) nos dias 8, 9, 10, 11, 16, 17, 18, 23, 24 e 25 de março, quintas e sextas às 20h e sábados e domingos às 18h, na Estação da Memória, em Joinville.

 

À época de sua criação, a peça foi descrita pelo próprio autor como “uma tragédia moderna, em quadros, focalizando uma realidade totalmente regional, desvendando, ao mesmo tempo, o eterno conflito entre o indivíduo e sua realização, e a sociedade que o esmaga”. O escritor e dramaturgo joinvilense buscou dar uma sugestão aos seus conterrâneos portadores de alguma mensagem artística para que a tornassem realidade, seja num verso, numa canção ou pintura. O primeiro contato do Abismo Teatro de Grupo com uma obra de Dereti foi por “Os Palhaços – texto teatral censurado em 1968”, publicado em livro organizado por Cristovão Petry, diretor do grupo, que vem realizando uma série de palestras e leituras dramáticas deste texto em diversos lugares de Santa Catarina.

 

Já o acesso ao texto de “A Litorina” foi por intermédio da esposa de Dereti, Marisia Morcelles Dereti. Com a autorização em mãos, o grupo decidiu encarar o desafio de colocar a peça em cena depois de 47 anos da primeira e única montagem. “Há algum tempo o Abismo está querendo realizar uma nova montagem e após a primeira leitura da peça, já ficou evidente que o texto escolhido seria “A Litorina”. Por isso, o primeiro passo foi digitar o texto, que se encontrava em boa parte manuscrito em um caderno do escritor”, conta Petry. Os ensaios começaram em abril de 2017.

 

Desde a fundação em 2013, o Abismo Teatro de Grupo vem participando ativamente da agenda cultural de Joinville e região, desenvolvendo seu teatro político comunitário com a circulação dos espetáculos de seu repertório e da participação em diversas oficinas de formação. O local escolhido para realizar a temporada de estreia de “A Litorina” foi a Estação da Memória, cenário ideal para encenação da peça e que vem ao encontro da proposta do grupo de ocupar os espaços não convencionais e centrais de teatro, indo para locais alternativos e promovendo um convite à reflexão sobre o lugar da arte da cidade.

 

Sinopse

Uma tragédia. Três personagens centrais movem a peça, num bar de uma estação ferroviária. Ildefonso é o chefe da estação – um agiota preocupado apenas consigo mesmo e nos seus lucros.  Severino, um bêbado, não conseguindo sustentar a família, é abandonado pela mulher, deseja fazer justiça com as próprias mãos. Amaro, um vendedor que desce da litorina e media as discussões, procurando compreender os fatos, mas não interfere no seu desfecho.

 

Pesquisa que gerou livro

“Fizemos uma pesquisa e lendo anotações datilografadas pelo autor em 1970, onde nenhum dos atores e nem o diretor do Abismo haviam ainda nascido, percebemos o quanto é necessário resgatar esta história e colocar ‘A Litorina’ em cena. O teatro é para ser encenado”, destaca Petry.  Além da encenação, o grupo irá publicar o texto e uma pesquisa sobre o contexto da época em um livro, entrevistando os dois atores da primeira montagem:  o jornalista e historiador Apolinário Ternes e o professor Félix José Negherbon, além do técnico de som e luz, Volney Valentin e da companheira de Dereti, Marísia. Quem for assistir à peça ganha um exemplar do livro (está incluso no valor do ingresso). Quem quiser levar para casa mais exemplares eles estarão à venda a um custo de R$ 10 cada e poderão ser adquiridos no local e dias de apresentação (serviço).

 

Ficha técnica

Texto: Miraci Dereti

Atuação: Letícia Helena, Isadora Dourado, Marcos Vicente Jr. e João França

Vozes e imagens do prólogo: Apolinário Ternes e Félix José Negherbon

Música do prólogo (Passarinho): Rogério Morcelles Dereti

Filmagem e edição do prólogo: Nilton Santo TiroTTi

Trilha Sonora Original: Lausivan Corrêa

Figurino: Marlon Zé e o grupo

Cenário: o grupo

Fotografia: Jéssica Michels

Iluminação: Flávio Andrade

Maquiagem: Letícia Petry

Prótese dentária: cirurgião dentista Luiz Eduardo da Nova Filho / Protético: Jacques Normando Barata / CH.DENT (Odontologia especializada)

Assessoria de Imprensa: Santa Cultura – Comunicação Criativa

Designer Gráfico: Isadora Dickie e Andre Beavis

Pesquisa histórica: o grupo

Coordenação Editorial: Jura Arruda e Editora Areia

Agenciamento: Cristina Puccini da Silva

Direção: Cristovão Petry

Produção: Patrícia Gbur Portela Petry e grupo

Classificação Indicativa: 14 anos

Duração: 70 minutos

 

Patrocínio: Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (SIMDEC/Joinville), em projeto aprovado no Mecenato 2015, Secretaria de Cultura e Turismo e Prefeitura de Joinville

Apoio: Amorabi (Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Itinga) e Ajote (Associação Joinvilense de Teatro)

Realização: Abismo Teatro de Grupo

 

Serviço:

A Litorina

Quando: 8, 9, 10, 11, 16, 17, 18, 23, 24 e 25 de março de 2018

Horário: quintas e sextas às 20 horas, sábados e domingos às 18h

Local: Estação da Memória (Antiga estação ferroviária), Rua Leite Ribeiro s/n, Anita Garibaldi

Ingressos: R$ 10,00 (dá direito a um exemplar do livro) – lugares limitados. Reserve seu ingresso pelo e-mail abismoteatrodegrupo@gmail.com, no WhatsApp 47-99603-5584 ou pelo link facebook.com/Abismoteatrodegrupo

 

Assessoria de Imprensa

Santa Cultura Comunicação Criativa

Sandra Moser e Taísa Rodrigues

(47) 99179-7484 / (47) 98864-3373

sandra@santacultura.com.br / taisa@santacultura.com.br

facebook.com/santacultura

www.santacultura.com.br

 

Espetáculo de música instrumental, canto e dança estreia em Passo Fundo e Cruz Alta/RS

A força da arte flamenca inspira um espetáculo de música instrumental, canto e dança. InFusión – Flamenco e Sul América estreia no palco do Sesc, em Passo Fundo/RS, nos dias 2 e 3 de março, com o músico uruguaio Pablo Vares, a atriz e cantora carioca Letícia Spiller e o sapateador e pesquisador gaúcho João Silveira. No dia 4, é a vez da Casa de Cultura Justino Martins, de Cruz Alta, receber o espetáculo.
No palco, a música flamenca em fusão com a música brasileira e com coreografias e ritmos do Cone Sul da América. Para Pablo, “a fusão entre flamenco e os ritmos do sul acontece naturalmente. Estilos musicais são conceitos que não existem no mundo senão através das pessoas que os realizam. Somos um conglomerado complexo de experiências que coexistem em um diálogo constante dentro de nós. A fusão é inevitável”.
Pablo, Letícia e João se inspiram na integração de culturas e de saberes como forma de poesia e de expressão. “A música, a dança e o canto são para mim inspirações universais. Aqui, em nossa InFusión, inter-relacionadas num jogo entre três artistas múltiplos na arte e na essência”, afirma Letícia.
João Silveira, coreógrafo e diretor do espetáculo, também é pesquisador em Harvard. Para ele, “a fusão de ritmos, da música com a dança, da poesia com a interpretação e da arte com a ciência fazem todo o sentido na sociedade contemporânea”.
Hedra Rockenbach, responsável pela direção de cena e iluminação, criou uma cenografia intimista e informal para o espetáculo. “Queremos que o público se sinta próximo dos artistas”, afirma Hedra.
InFusión está com ingressos à venda. Veja as informações abaixo.

Os artistas
Leticia Spiller é atriz, diretora, produtora e poeta. Na TV Globo, atua em novelas desde 1992 e sua estreia no cinema ocorreu em 1997, em “O Pulso”. Letícia ainda participou de mais de uma dezena de peças de teatro, além de atuar e de produzir filmes como: Joãozinho de Carne e Osso (curta) e O Casamento de Gorete (longa).


Pablo Vares é músico, compositor e diretor musical. Atua como violonista solista em companhias de dança flamenca por todo país. Estabeleceu um vínculo forte com o Instituto Cervantes, onde participou de várias edições do ciclo de shows Flamenco Puro. Também leva o violão flamenco fora do âmbito tradicional, participando em espetáculos como a peça “Doroteia”, com texto de Nelson Rodrigues.

João Silveira é performer, coreógrafo e pesquisador, atualmente arte-cientista visitante na Universidade de Harvard e na Universidade de Dallas. Também conhecido como John Gaucho, dança com boleadeiras, é sapateador e diretor de espetáculos e tem na carreira mais de 4000 apresentações no Brasil e em países como França, Estados Unidos, Argentina, Japão, Líbano, Romênia, Alemanha, Rússia e no Principado de Mônaco.

Ficha técnica
Criação e performance: Pablo Vares, Letícia Spiller e João Silveira
Direção musical: Pablo Vares
Direção e coreografia: João Silveira
Design de Luz e Cenografia: Hedra Rockenbach
Direção de Fotografia: Karina Friedrich
Produção: Ariane Vieira – 4Alles Produção Cultural
Assessoria de Imprensa: Santa Cultura Comunicação Criativa
Duração: 80min

Serviço
O que: InFusión - Flamenco e Sul América
Quando: 2 e 3 de março no Sesc, Passo Fundo/RS – Avenida Brasil, 30; dia 4 de março na Casa de Cultura Justino Martins, Cruz Alta/RS – Rua General Osório, 1415.
Horário: 20 horas
Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia entrada) no site minhaentrada.com.br. Em Passo Fundo: nas lojas Multisom do Shopping Bella Citta e Bourbon, e SESC; em Cruz Alta: na loja Suzy Sports.

Assessoria de Imprensa
Santa Cultura Comunicação Criativa
Sandra Moser e Taísa Rodrigues
Tel.: (47) 99179-7484 / (47) 98864-3373
sandra@santacultura.com.br/taisa@santacultura.com.br
facebook.com/santacultura
www.santacultura.com.br

Mini Cientista: a loja virtual de brinquedos educativos que estimulam a criatividade e imaginação

Brinquedos inteligentes, que aguçam a imaginação e a busca por conhecimento: a loja virtual Mini Cientista reúne diversas peças para crianças de todas as idades. O e-commerce, criado para atender a todo o Brasil e oferecer produtos diferenciados, conta com linhas voltadas para as ciências e robótica, além de jogos, livros, itens de costura e customização, entre outros brinquedos que estimulam a criatividade e proporcionam deliciosas descobertas para os pequenos.

Criada pela gaúcha Elisa Leal Belmonte, a loja virtual surgiu a partir de uma dificuldade da própria empresária em encontrar brinquedos que proporcionassem diversão e aprendizado para seus três filhos. A procura por produtos que oferecessem essa experiência lúdica para suas crianças se transformou em uma oportunidade de negócio e assim nasceu a Mini Cientista.

“Como não encontrava esse tipo de brinquedo em lojas físicas, passei a procurar na internet e notei que ali também não existia uma loja que reunisse tudo de diferente que temos neste segmento. Por isso decidi criar a Mini Cientista, com linhas nacionais e importadas, focadas exclusivamente no desenvolvimento intelectual das crianças”, comenta.

Além de entreter a criançada e permitir que elas mergulhem em um mundo de descobertas, a proposta também é proporcionar momentos de lazer e integração em família. Os pais podem, por exemplo, ajudar os filhos a construir guindastes e colocá-los para funcionar, montar um enorme dinossauro 3D que reage aos sons ou jogar Dixit e Sim e Mestre das Trevas, entre outras atividades recreativas que podem ser feitas em grupo.

“A Mini Cientista acredita que cada criança deve brincar com o que achar legal. Procuramos montar um site no qual meninos e meninas tenham a liberdade de soltar a imaginação e se divertirem com o que quiserem”, acrescenta Elisa.

A página da loja virtual oferece fácil navegação e a busca pelos brinquedos pode ser feita por categoria e também de acordo com a faixa etária das crianças. Para conhecer o site da Mini Cientista, acesse: www.minicientista.com.br.

 

Escritora joinvilense lança livro em Curitiba

Evento de lançamento de “Van Ella Citron”, da psicóloga Bruna Sofia Morsch,
será no dia 14 de dezembro, na capital paranaense

Uma jovem que decide sair de casa para viver nas ruas como prostitua e, ao longo de sua jornada, leva o leitor a reflexões sobre nossa busca frenética por status e reconhecimento. Este é o fio condutor do livro “Van Ella Citron”, da escritora joinvilense Bruna Sofia Morsch, no qual aborda com sensibilidade temas vistos como tabus em nossa sociedade. A obra, lançada recentemente em Joinville, também será apresentada aos leitores de Curitiba, no dia 14 de dezembro, na Livraria Vertov.

“Meu objetivo com este livro é abordar temáticas inerentes à nossa realização subjetiva no que tange sentimentos como desejo e amor, além disso, a narrativa fala sobre cultura machista, feminismo e feminilidade, misoginia e capitalismo. Também, é inevitável pensar, nesta obra, sobre o lugar social ocupado pela moça-prostituta e os sujeitos frenéticos nesta corrida ao encontro pelo status quo”, comenta a escritora.

O livro apresenta um pouco de psicanálise no que se refere aos tabus da sociedade.

Esta é a primeira obra de Bruna, que é formada em psicologia e pós-graduanda em psicanálise. “Van Ella Citron”, que significa doce mulher ácida – Van vem da palavra vanila (baunilha) e citron é a tradução de limão em francês, - é uma publicação da editora Micronotas, da escritora e jornalista Katherine Funke.

O evento de lançamento em Curitiba será realizado em parceria com a Livraria Vertov e o Studio Mandrana, a partir das 19 horas. Na ocasião, Bruna fará uma performance e uma roda de conversa, onde falará sobre as modalidades de gozo e desejo que a sociedade tradicional insiste em exterminar, bem como a permissividade da mulher enquanto sujeito da sexualidade, incluindo a sua trajetória e descoberta como mulher.

Além disso, nos dias 16 e 17 de dezembro, o livro estará à venda na Feira Solar, também na capital paranense.

Sinopse

Van Ella Citron. Baunilha e limão. Aos 19 anos, vende o carro, sai de casa e inicia sua dupla metamorfose. Primeiro, de universitária à garota de programa em Metröpolys. Depois, de mera iniciante na profissão à maior heroína entre as prostitutas da Ilha das Viúvas. Querendo liberdade, Van Ella Citron foge da condição de garota invisível. Luta por tudo, até por um reconfortante café com leite. O paradoxo é que, aos poucos, descobre que a invisibilidade é a garantia da almejada condição de sujeito livre. Assim, sofre a acidez compulsória de ser mulher independente e quase sucumbe à vontade de ser resgatada e se tornar a "mocinha" da própria história. Mas, mesmo de coração partido, se revela menos frágil do que imagina. Não aceita ser enquadrada em um perfil. Muito menos, ter seu corpo amassado pela violência e a corrupção local. Estão todos preparados ao mergulho hipnotizante pelos mares onde habita esta sereia de voz doce e pensamentos ácidos? Se estás a mergulhar nas profundezas de Van Ella Citron, desejo um delicioso naufrágio. 

Serviço

O quê: Lançamento do livro “Van Ella Citron”

Quando: 14 de dezembro, às 19 horas

Onde: Livraria Vertov – R. Visc. do Rio Branco, 835 - Sala 02 - Mercês, Curitiba/PR